E75C2269-25EE-4C44-8649-D842B506E0E2 Created with sketchtool.
PT
A+
40F48D74-0ABB-49BA-A923-C60ABF051698 Created with sketchtool.
4DB661F4-66CF-4EB3-963C-E4EBDDB94A68 Created with sketchtool.


Criado especialmente para o MAR, trabalho inédito de Marcos Chaves traz mensagem de alento e homenagem ao Rio

O artista Marcos Chaves apresentou no dia 28 de abril a obra “Vai passar” (2019), comissionada pelo Museu de Arte do Rio – MAR. A peça, uma bandeira de 20 m2, é a segunda da série em que artistas são convidados a criar peças para o mastro recém restaurado do Palacete D. João VI, um dos prédios que compõem o museu.

O artista explica por que escolheu as cores da da Estação Primeira de Mangueira para o trabalho:  “Considero verde e rosa as cores do Rio de Janeiro. São cores vivas e em uma combinação que não se vê em nenhuma bandeira do mundo. Acho que representa bastante a cidade”.

Além das cores, a bandeira evoca o mundo do samba com os dizeres “Vai Passar”, gravados em uma face, e lança uma dúvida com a interrogação inscrita na outra.

“A frase lembra o samba do Chico, mas também é um pensamento milenar. Há uma lenda persa em que o rei chama vários sábios para aconselhá-lo em momentos difíceis e recebe de um deles um anel onde está escrito ‘isso também passará’. Quer dizer que tudo realmente passa, tanto as coisas boas quanto as ruins. Todo mundo tem que ter essa mensagem constante na cabeça, porque é isso que leva a gente para a frente. Às vezes as situações são tão difíceis que a única maneira de seguir em frente é a esperança de que vai passar”.